Esdras e o resgate de crianças em risco — devocional setembro

Esdras e o resgate de crianças em risco
Lendo Esdras, entramos no mundo após o exílio judaico. O texto fala do duro, porém esperançoso, período da volta do cativeiro do povo de Israel. As carências dos israelitas ao voltarem do exílio e sua necessidade de um recomeço me lembram muito a vulnerabilidade e o clamor silencioso por socorro em que vivem crianças em situação de risco no mundo todo. A reação do povo – suas prioridades e sua unidade – e os desdobramentos da restauração e o resgate realizados pelo SENHOR DEUS me parecem ter um bom ensino para nós da Expedição Mochila.

Prioridade
Esdras 3 é o momento que o povo volta do cativeiro e encontra suas cidades destruídas. Em Jerusalém, eles se reúnem e começam a reconstrução do altar no templo. É a primeira coisa que eles fazem, antes mesmo de reconstruir o templo. Observando os versículos 3, 6 e 8 vemos que o altar foi restaurado e o serviço de holocaustos começou mesmo em meio aos escombros da destruição do antigo templo, mesmo ainda sem os muros da cidade (que só foram reconstruídos mais tarde com Neemias), mesmo sob a iminente ameaça de inimigos que ainda habitavam a desolada Jerusalém. Eles entenderam a importância de priorizar o mais importante. Sendo redundante mesmo, eles priorizaram o que é prioritário.

Unidade
Recomeços são difíceis e, como muita coisa na vida, estar junto é melhor que estar sozinho. Esdras 3.1 diz que o povo se reuniu como um só homem. Apesar de serem muitos, eles agiram como se fossem um. O que será que ele observou, ouviu, percebeu, para descrever que todos se reuniram como um só homem? Com certeza viu um único movimento de todos na mesma direção. Uma unidade que apontava para Deus e não para os homens. Talvez por isso, a primeira coisa a fazer foi restaurar o altar para os sacrifícios e holocaustos, algo que demonstrava a atenção com Deus antes mesmo de reconstruir outras coisas que demonstrassem cuidado com eles mesmos, como os muros da cidade ou suas casas. A unidade que aponta para o SENHOR DEUS e prioriza as coisas certas, é fundamental!

Restauração e Resgate
O retorno do cativeiro foi considerado a boa mão do Senhor para o resgate de seu povo. O exílio foi uma dura lição para Israel. Mas eles tinham esperança e o retorno prometido por Deus estava acontecendo. Deus ama restaurar e resgatar as vidas, ainda que não entendamos completamente porque Deus permite o mal e o desvio, temos certeza que Ele ama a restauração. Na história do povo de Israel está muito claro o motivo do castigo e do caos: foi o pecado do povo! Nem sempre, entendemos o porquê do caos quando saímos do contexto de Israel antigo e pensamos no mundo hoje. Porque tanta desgraça com a infância? Não temos a resposta exata do porquê disto tudo.

Uma dica é entender que a humanidade caída e afastada de Deus não cuida de Sua criação como deveria, e as crianças entram nesta história. A maldade do homem causa o caos na vida de muitas crianças. Eu não usei o texto de Esdras para buscar uma justificativa para o caos na infância do mundo hoje, mas sim para afirmar que Deus ama o resgate e a restauração. O pecado de Israel faz parte da história em Esdras e Neemias e nos ajuda a entender toda a trama na época. A primeira lição para nós aqui na Expedição Mochila é lembrar que Deus tem prazer em que as vidas sejam restauradas e resgatadas.

Prioridade e unidade para o resgate e a restauração de crianças em risco
Muitas crianças no mundo vivem o caos em suas vidas, e Deus quer restaurá-las e resgatá-las. Podemos ter esperança, pois Deus quer fazer algo por elas. A segunda lição é que Deus quer nos usar! Não sabemos porque Deus permite que aconteça isso com as crianças e quero sugerir que troquemos a especulação pelo trabalho. Ele tem prazer na restauração de vidas. Vamos trabalhar juntos pelas crianças em risco!

Em Esdras vemos Deus usando pessoas, que souberam se unir e priorizar. Deus usa pessoas no Seu trabalho de resgatar as crianças. Não vamos mudar o mundo e nem salvar a todas elas, mas se soubermos priorizar as coisas certas e nos unirmos, vamos resgatar muitas crianças. É uma pena saber que não vamos mudar a vida de todas as crianças do mundo, mas um alívio saber que Deus quer nos usar para restaurar a vida de algumas delas. Nós começamos com algumas crianças que vivem nos presídios bolivianos.

Deus usa algumas pessoas como instrumentos de sua restauração para o benefício de muitos. Não podemos ficar parados apenas observando ou especulando sobre as tamanhas atrocidades com as crianças, temos que fazer algo. Temos que nos juntar a Deus no Seu trabalho de resgatá-las. As crianças em risco precisam mudar de vida e conhecer o amor de Deus.

Quero desafiar você a se unir a nós na Expedição Mochila para priorizarmos o cuidado e o resgate da infância. A Expedição Mochila está entrando em uma nova fase e precisamos de você! Juntos somos mais fortes, e o mais importante, juntos podemos mostrar Cristo ao mundo através da mensagem do Evangelho e o trabalho de resgate das crianças em risco.

Veja como participar:
➔ Venha para nossa reunião em São Paulo, queremos te conhecer, ouvir suas ideias, orar junto. Temos um culto e depois um bate papo, as reuniões acontecem sempre na última sexta do mês*;
➔ Ore pelas crianças nos presídios bolivianos e espalhe a causa entre seus amigos;
DOE para o socorro das crianças que vivem nos presídios na Bolívia, faça sua doação única ou seja mantenedor.

Ricardo Silva — Ricco
Pastor e Coordenador Expedição Mochila
contato@em.org.br | 011-98990-8190 (Claro, fone e whatsapp)

[*] A reunião será na Igreja Ministério Água Viva, em Pinheiros, São Paulo, bem próximo da Estação de Metrô Fradique Coutinho, linha amarela. Rua Mourato Coelho, 747, Pinheros, CEP 05417-011, SP. Veja aqui no facebook todos os detalhes do nosso culto de setembro.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *